quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Estudo: mais flexibilidade gera maior produtividade

É tudo uma questão de empowerment!
Segundo um estudo da Regus, fornecedor global de espaços de trabalho, 78% das empresas portuguesas concluíram que a sua produtividade aumentou como consequência da adopção de uma prática de trabalho mais flexível e 89% das empresas vêem uma ligação directa entre o aumento das receitas e a flexibilidade do trabalho. Os inquiridos indicaram ainda que, graças à flexibilidade do trabalho, se sentem mais enérgicos e motivados (72%).

O estudo conclui ainda:
• 58% dos inquiridos afirmam trabalhar mais fora do escritório do que anteriormente.
• 74% dos inquiridos afirmam que os seus funcionários se sentem mais saudáveis graças à flexibilização da forma de trabalhar.
• 94% dos inquiridos consideram que cada vez mais funcionários, a dado momento no seu percurso profissional, começarão a trabalhar em part-time.

In "HRPortugal"



Face a este estudo saliento de novo, é tudo uma questão de empowerment, sendo que este é caracterizado por todos os aspectos mencionados nesta imagem.



Criar um ambiente de empowerment na empresa pressupõe:
-Questionar a premissa básica do modelo hierárquico, no qual a principal fonte de autoridade é o cargo ou a posição.
-Que a direcção e os gerentes abram mão do seu controlo sobre as pessoas e se ocupem de facto dos resultados.
-Fazer com que os empregados assumam riscos e a responsabilidade pessoal pelos seus actos.
-Eliminar as decisões arbitrárias e o trabalho sem significado que provocam frustração, impotência, etc.
-Resgatar os valores pessoais que conferem significado verdadeiro ao trabalho.

In "PMElink"

Já temos resultados e amostras portuguesas. E agora? Vamos mudar de modelo?