quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O Facebook pode ser usado para prever o sucesso académico e a performance no trabalho?

estudo de Peter Rosen e colegas veio responder a essa questão.
Os autores referem que a rápida expansão dos media social na última década vai para além do seu propósito inicial e que os administradores universitários e empregadores começam a usar esta tecnologia para avaliar estudantes e funcionários.

O Facebook pode ser usado por avaliadores treinados para avaliar traços de personalidade que na literatura demonstram prever o sucesso académico e no trabalho e, consequentemente, poderá ser usado como instrumento de selecção.

Para fazer a ligação entre a informação no Facebook e a personalidade do seu usuário os autores utilizaram um modelo da psicologia Big Five, que avalia as 5 dimensões da personalidade de uma pessoa:


1. Neuroticismo (neuroticism)
Por exemplo, indivíduos com baixo nível de estabilidade emocional fazem posts  no qual o seu conteúdo demonstra uma tendência de grandes oscilações  de experiências pessoais ou emocionais.

2. Extroversão (extraversion)

É caracterizada por uma interacção frequente com outros, no qual pode ser demonstrada pelo número de amigos que o usuário tem no facebook.

3. Amabilidade (agreeableness)

Por exemplo, indivíduos com nível alto de amabilidade são pessoas de confiança e que se dão bem com os outros. Este aspecto é demonstrado pela quantidade de informação pessoal postada ou disponível no fb.

4. Conscienciosidade (conscientiousness)

Por exemplo, indivíduos com um nível baixo de conscienciosidade são aqueles que não demonstram auto-disciplina ou cuidado nas suas conversações ou nos seus posts.

5. Abertura para o novo (openness to experience)

É caracterizada pela curiosidade e criatividade intelectual, e poderá ser revelada no facebook pela variedade de livros, frases preferidas ou outros posts  que demonstram que o usuário está envolvido em novas actividades.


Estudo 1: conclui que o Facebook:
1. Está correlacionado com auto-acaliação da personalidade tradicionais.
2. Demonstra consistência interna e validade em relação à personalidade.
3. Está correlacionado com as preferências do avaliador para contratar o usuário do Facebook.
4. Está correlacionado com a avaliação do supervisor da performance no trabalho dos usuários que foram contratados.

Estudo 2: conclui que o Facebook:
1. Está correlacionado com testes da personalidade (auto-avaliação);
2. Demonstra consistência interna e validade.
3. É mais forte a prever o sucesso académico do que auto-avaliações da personalidade e o QI.
4. Prevê a performance académica.

Estes estudos concluem que a informação disponível no Facebook pode ser usada para identificar indivíduos que são mais bem sucedidos na universidade de no trabalho.
As organizações procuram mais informação acerca dos seus candidatos de forma a tomar uma decisão mais acertada em relação à sua selecção. A tomada de decisão é baseada em várias características da pessoa, principalmente a sua personalidade que pode servir de indicador para tendências comportamentais em contextos organizacionais.

In "Social Networking Websites, Personality Ratings, and the Organizational Context: More Than Meets the Eye?"

Como é que está o nosso Facebook? 
Até que ponto ele transmite uma mensagem positiva de nós? Ou causa uma boa impressão?
Será que os empregadores vêem mesmo o nosso perfil no Facebook?