terça-feira, 2 de outubro de 2012

A experiência é sobrestimada?


Até que ponto os anos de experiência que um candidato tem é positivo?

Por alto, e não com base em números, mais de metade dos anúncios das plataformas online mais conhecidas de emprego fazem referência a um perfil com experiência entre os 3 a 5 anos, ou mais.


O factor experiência pode ser enganador.

Porquê?

Alguns candidatos com experiência de anos:


- Podem pensar que sabem tudo e por isso não estão abertos à mudança, não são flexíveis e/ou não conseguem olhar para a indústria com outra perspectiva.
- O facto de estarem habituados a outro sistema e tipos de comportamentos, certas competências podem não estar desenvolvidos. Por exemplo, se o processo for demasiado burocrático até chegar a uma solução numa antiga empresa que o candidato esteja, a sua agilidade e adaptação na resolução de problemas pode não ser a melhor.
- O fit na cultura organizacional. O que era esperado na empresa antiga do candidato? O que é esperado dele agora se fosse para uma nova empresa? Como iria reagir às mudanças?
- Os hábitos da empresa que esteve iriam afectar o seu relacionamento ou desempenho na nova empresa? Mais uma vez é uma questão de fit.


Tendo em conta estes aspectos, será que a experiência é overrated (sobrestimada)?
Até que ponto a experiência traz-nos valor?